Mudanças na região genital feminina após os 40 anos - ABCGIN Mudanças na região genital feminina após os 40 anos - ABCGIN

Pesquisar

Validando credenciais, por favor aguarde ...
  • Cursos: 21 99973-1534

  • Suporte: 21 4146-4336 | WhatsApp

Home

Mudanças na região genital feminina após os 40 anos

Mudanças na região genital feminina após os 40 anos

Mudanças na região genital feminina após os 40 anos

Sabe-se que, hoje em dia, os 40 anos já não são mais considerados como “idade avançada”. Na verdade, a sociedade entende uma mulher com essa idade como jovem. Entretanto, nesse estágio da vida, as mudanças corporais já começam a aparecer, e isso pode preocupar, principalmente, a população feminina.

Mulheres, no geral, são pessoas que cuidam mais de sua aparência e saúde. Conforme vão ficando mais velhas, o corpo e a pele se modificam, demandando mais atenção e cuidado. Essas mudanças, na maioria das vezes, acontecem por alterações hormonais comuns, principalmente porque é nesta fase da vida que a menopausa pode começar a dar seus primeiros sinais, e isso impacta diretamente na região genital feminina, o que pode acabar causando problemas físicos e psicológicos à mulher. Vejamos quais são as principais mudanças que podem ocorrer após os 40 anos.

O que ocorre nesta fase da vida?

Com o passar dos anos, é normal que haja alterações hormonais no corpo feminino. A diminuição do estrogênio e do colágeno impacta diretamente na região íntima da mulher, causando mudanças como:

  • Flacidez vaginal – o órgão genital pode se tornar flácido pela falta de colágeno, e isso pode gerar falta de prazer sexual durante as relações.
  • Escurecimento da região íntima – isso ocorre, mais uma vez, pela baixa hormonal. É normal que, após os 35 anos – e principalmente nos 40 – a mulher não produza mais a quantidade de hormônios que produzia anteriormente, o que causa um escurecimento da área genital, principalmente dos pequenos lábios.
  • Prolapso dos órgãos pélvicos – com o passar do tempo, a mulher passa por uma perda muscular, e isso gera a “caída” dos órgãos que se situam no assoalho pélvico, como o útero e a bexiga, por exemplo.
  • Ressecamento vaginal – mais uma vez, a culpada é a queda hormonal. A mulher possui, quando jovem, um sistema de lubrificação natural. No entanto, quando já tem idade mais avançada, quando passa dos 40 anos, a lubrificação se torna escassa, podendo fazer com que haja sintomas incômodos, como coceira vaginal, além de prejudicar a vida sexual da mulher, pois, sem a devida lubrificação, o ato sexual torna-se doloroso.
  • Queda de libido – a falta de hormônios e o ressecamento causam na mulher uma baixa autoestima, o que faz com que a vontade de fazer sexo também diminua.
  • Incontinência urinária – a partir dos 40 anos, é normal que a população feminina passe por problemas de perda de urina involuntária, isso se dá pelo enfraquecimento da musculatura pélvica.

Percebe-se, então, que a mulher lida com mudanças problemáticas em seu corpo após os 40 anos. Mas existem soluções que estão melhorando em 100% sua qualidade de vida. E quais são elas?

Quais são as soluções para as mudanças vividas pelas mulheres – em sua região genital – após os 40 anos?

Como já vimos, as mudanças são diversas e trazem consequências desagradáveis para a população feminina. Nenhuma mulher se sente confortável em olhar para a sua região íntima e observar a pele flácida ou manchada, isso afeta diretamente o psicológico, a autoestima, fazendo com que ela não se sinta bem com o seu próprio corpo. Como solução para esse problema, os médicos ginecologistas têm apresentado às suas pacientes tratamentos com laser vaginal, radiofrequência, peelings genitais, preenchimentos da região íntima e intervenções cirúrgicas minimamente invasivas. É o que chamamos de Ginecologia Regenerativa.

Como funcionam esses procedimentos?

O laser e a radiofrequência aplicados à Ginecologia Regenerativa têm ganhado cada vez mais espaço no tratamento de problemas relacionados à região genital feminina. Esses dois aparatos funcionam com a emissão de ondas que estimulam a contração muscular e a produção hormonal, o que faz com que o tecido vaginal se torne mais firme, acabando com a flacidez. Além disso, o laser vaginal também é muito utilizado para o tratamento da incontinência urinária, trazendo resultados incríveis para a mulher. Peelings genitais são usados pelos médicos para o clareamento da região íntima feminina, que, como já foi falado, escurece com o passar do tempo. Esse tratamento é feito geralmente com a administração de ácidos indicados pelo médico ginecologista. Existem, ainda, cirurgias como a ninfoplastia, que são realizadas quando há o descontentamento com o tamanho dos lábios. De fato, a região íntima feminina sofre mudanças severas com o passar do tempo, principalmente quando a mulher atinge os 40 anos, mas a Ginecologia Regenerativa chegou para devolver a qualidade de vida a essas pacientes. Por isso, é importante que os médicos se atualizem sempre com relação às novas técnicas para acabar com os problemas